eCUESTA

 
HOSPITAL DO CÂNCER DE BARRETOS SOFRE ATAQUE HACKER

| Todo o conteúdo deste site está publicado sob a licença Creative Commons CC BY ND 3.0 Brasil
Fonte:Hospital do Câncer de Barretos - Imagem: Reprodução | Hospital do Câncer de Barretos



O Hospital de Câncer de Barretos teve o seu sistema afetado nesta terça-feira, 27 de junho, devido a uma invasão envolvendo hackers. As unidades de Jales (SP) e Porto Velho (RO), além dos Institutos de Prevenção ao redor do Brasil, também sofreram com o ataque. Devido ao incidente envolvendo vírus computacionais, houve a interrupção de alguns processos assistenciais.

De acordo com o coordenador do Departamento de Tecnologia da Informação (TI) da instituição, Douglas Vieira dos Reis, esse ataque foi parecido com o que aconteceu em várias empresas no mundo há cerca de dois meses. “É um programa que se aproveita da vulnerabilidade do sistema. Ele entra e criptografa alguns dados e lança uma tela pedindo resgate das informações”, explicou.

O pedido de resgate ao qual Reis se refere é de US$ 300 em bitcoins, uma espécie de moeda virtual por máquina. Só o Hospital em Barretos possui cerca de 1.000 computadores.

O problema foi percebido por volta das 9 horas. “Desde o começo estamos mobilizados para resolver isso. Esse tipo de invasão não escolhe a empresa, é aleatório. Vale ressaltar que as informações dos pacientes estão seguras e preservadas”, disse o coordenador da TI.

Segundo o médico e diretor clínico do Hospital, Paulo de Tarso, o atendimento em alguns setores foi suspenso. “É importante dizer aos pacientes que as situações de urgência e emergência estão sendo atendidas. Os que tiverem consultas e procedimentos é melhor vir ao Hospital para que possa ser reagendado”, relatou.

No setor de radioterapia de Barretos e Jales, cerca de 350 pacientes tiveram seus exames prejudicados pela invasão. “Alguns aparelhos dependem da tecnologia, dos computadores, para que possam funcionar. Para garantir a segurança do paciente, até que o sistema volte ao normal, o tratamento nessas máquinas estará parado”, afirmou o coordenador médico do departamento, Daniel Marconi.

A previsão é de que o sistema do Hospital esteja normalizado e em funcionado em até três dias.