eCUESTA

 
FOGOS PROIBIDOS

| Todo o conteúdo deste site está publicado sob a licença Creative Commons CC BY ND 3.0 Brasil
Fonte:G1 | Campinas e Região - Com informações:Leia Notícias - Imagem:Reprodução | Leia Notícias



O Prefeito de Campinas (SP), Jonas Donizette (PSB) aprovou no último dia 2, o projeto de lei que proíbe a soltura de fogos de artifício que façam barulho em espaços públicos ou privados no município.

De acordo com a Prefeitura, o projeto visa o bem-estar de idosos, doentes, crianças e animais que sofrem com o barulho excessivo. A proposta ainda deve ser regulamentada, e a Prefeitura tem até 60 dias de prazo, a contar a data da publicação, para concluir o caso.

VETO NA MULTA

Inicialmente, o projeto contava com uma multa no valor de R$ 620,12 em casos de infrações. A cobrança foi vetada, pois, inicialmente, a administração pede a colaboração de ativistas e protetores dos animais para que o descumprimento da lei seja denunciado, e que primeiramente é necessário conscientizar a população sobre o assunto.

EM SÃO MANUEL

Em São Manuel um projeto de lei do vereador Paulo Zapparoli causou polêmica na Cidade, mas teve a aprovação de grande parte da população: a proibição de comércio e a soltura de fogos de artificio estampidos, principalmente rojões.

O projeto de lei foi apresentado em outubro do ano passado e em 3 dias a Lei foi sancionada pelo então prefeito Marcos Monti e entrou em vigor.

EM BOTUCATÚ

A reportagem do Leia Notícias ainda conversou com a protetora de animais, Paula Zanin, fundadora da Arca (Amigos Reunidos pela Causa Animal) de Botucatu, e com o padre Emerson Rogério Anizi, pároco da Catedral de Sant´Ana.

Os parlamentares são favoráveis a discussão aberta com a população de Botucatu. E é exatamente isso que a protetora de animais, Paula Zanin, espera que ocorra.

A igreja católica, principalmente, utiliza tradicionalmente fogos de artifícios em suas comemorações, mas de acordo com o pároco da Catedral de Botucatu, padre Emerson, esse assunto precisa ser tratado de forma uniforme, pelo bem de toda a população. “Acredito que as pessoas podem manifestar sua fé de várias outras maneiras”, disse.

Eu não falo em nome da igreja, posso falar a minha posição. Em tudo que fere e coloca em risco os animais e a vida humana, precisamos trabalhar em conjunto, falarmos a mesma língua. Acredito que as pessoas podem manifestar sua fé de várias outras maneiras. Eu sempre me preocupo com a segurança e toda vez que há queima de fogos de artifícios, procuro a autoridade legal, que é o Corpo de Bombeiros, para receber as instruções necessárias de segurança.” completo o pároco.

E você, o que acha da proibição dos fogos de artíficio com estampido em sua cidade?